Publicidade

Posts com a Tag MLS

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014 Ex-jogadores, Franceses no mundo | 19:12

Merci, Thierry Henry!

Compartilhe: Twitter

“Foi uma viagem incrível”, disse Thierry Henry no último dia 16, terça-feira, ao declarar a aposentadoria do futebol profissional aos 37 anos.

É claro que o atacante não se refere apenas aos cinco anos passados nos Estados Unidos, sua última caminhada na carreira iniciada no Principado mais famoso da Europa, há duas décadas.

Começando a carreira, à la Ruud Gullit (Thierry revelou que a preferência pela camisa 12 na seleção vem da admiração por outro holandês, Van Basten)

Começando a carreira, à la Ruud Gullit (Thierry revelou que a preferência pela camisa 12 na seleção vem da admiração por outro holandês, Van Basten)

Foram muitas conquistas e tantos, tantos gols na trajetória que incluiu Monaco, Juventus, Arsenal, Barcelona e New York Red Bulls, em cinco países diferentes. Com o cume no clube inglês, onde o camisa 14 se tornou o maior artilheiro da agremiação (quase 230 gols) e ganhou até estátua, em 2011.

Carreira vencedora e recordista também na seleção: foi do sub 16 aos Espoirs, galgando os degraus da base, até chegar aos Bleus em 1997. Até 2010, somou 123 partidas (só perde para Lilian Thuram, 142) e 51 gols: goleador-mor da história da França como seleção. Esteve nos dois feitos máximos do país no maior dos torneios que há, como meio titular/meio reserva na Copa de 1998 (o artilheiro daquele time) e titular na de 2006, quando foi “o carrasco” brasileiro da vez (artilheiro francês ao lado de Zidane).

Até pra dar um tapa pro gol o nêgo tinha estilo!

Até pra dar um tapa pro gol o nêgo tinha estilo!

Nos fiascos dos Mundiais de 2002 (expulso no segundo jogo) e 2010 foi titular também, tendo contribuído de forma bem peculiar, naquela repescagem contra a Irlanda em 2009, para que a equipe de Domenech fosse à África do Sul no ano seguinte. Enfim, é o jogador que mais Copas disputou com os Bleus, 4. Como ainda tem um título europeu (2000) e uma Copa das Confederações (2003), dá pra dizer que a passagem, no geral, foi positiva de fato.

França x Irlanda, 2009: A versão francesa da mão de Deus de Maradona-1986...

França x Irlanda, 2009: A versão francesa da mão de Deus de Maradona-1986…

Agora será comentarista da TV inglesa Sky Sports, mas vamos torcer para que apareça numas peladas de vez em quando, como esses jogos entre amigos que acabam sendo transmitidos pra preencher lacunas de programação televisiva em dias xoxos que todo ano tem. Porque aí vamos poder matar um pouco da saudade do craque, finalizador de classe e elegância que tanto aplaudimos (e tentamos imitar sem sucesso) nos últimos anos.

Merci Henry!

No final da carreira, com a camisa do NY Red Bulls, pela liga estadunidense, a MLS

No final da carreira, com a camisa do NY Red Bulls, pela liga estadunidense, a MLS

-> 14 momentos inesquecíveis (como golaços épicos) do 14 do Arsenal: leia no site Trivela

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 22 de abril de 2011 Franceses no mundo | 23:17

Henry goes well, thanks

Compartilhe: Twitter

O francês entre os colegas de time na vitória dos Touros Vermelhos de quinta de noite (Getty/NYRedBulls)

Quase ausente da grande mídia esportiva europeia e brasileira depois que foi para os EUA, Thierry Henry não anda encostado, deprimido ou preocupado apenas em ganhar dólares a rodo. Para falar a verdade, vive sua melhor fase desde que chegou ao New York Red Bulls, em julho passado.

Com lesões que o impediram de acumular jogos e consequentemente gols, Henry penou, mas seus dois últimos jogos foram marcantes na Major League Soccer (MLS), a liga nacional norte-americana. No sábado, marcou um gol (algo que não fazia desde 11 de setembro – iic! – de 2010) e deu uma assistência nos 3 a 0 contra o San José. Hans Backe, seu treinador, diz que o francês teve, na ocasião, “seu melhor desempenho na MLS“.

E na noite de ontem, praticamente hoje segundo a diferença de fuso entre Estados Unidos e Brasil, Thierry comandou a goleada do NY sobre o DC United, com um doublé que abriu os 4 a 0, além de ter participado do terceiro gol. O agora barbudo atacante vê seu time liderar provisoriamente a Conferência Leste da MLS depois de seis jogos nesta temporada, nada mal né?

Para quem puder ter, por alguns segundos, a insensatez de questionar porque insisto em falar do “quase aposentado” e “já na curva descendente” Thierry Henry, respondo apenas que o atacante de 33 anos (ou seja, com lenha pra queimar) não é/foi apenas um grande jogador Bleu, mas continua (pelo visto ainda por muito tempo*) sendo o meilleur buteur de l’histoire de l’équipe de France!

***

*Com 51 gols, depois de T.H. vêm: Platini com 41 e Trezeguet – que dificilmente voltará à seleção – com 34. Benzema, o maior goleador atualmente, soma apenas 12.

Autor: Tags: , , , , , ,

quarta-feira, 14 de julho de 2010 Franceses no mundo | 12:31

Ele vai fazer a América?

Compartilhe: Twitter
henry camisa red bulls

A primeira pergunta é quanto Henry vai vender nos EUA, e não o quanto vai vencer em campo... (Foto: Site oficial do NYRB)

Como há vários meses se especulava, Thierry Henry vai para o futebol norte-americano. Sua camisa agora é a do New York Red Bulls, depois de três temporadas pelo Barcelona. Depois de ir crescendo no futebol europeu – Monaco, Juventus, Arsenal e Barça -, o maior artilheiro da seleção francesa, reserva nos últimos tempos de Espanha e de Bleus, busca dias melhores onde possa voltar a ser estrela e titular, como se imagina na MLS (Major League Soccer), ainda engatinhando em termos de qualidade.

A liga investe alto, trazendo nomes como David Beckham e Henry, para ver se engrena no soccer – pelo menos a seleção dos EUA já superou o estágio da mera figuração em Copas do Mundo. No Red Bulls, o francês de 32 anos terá a companhia do colombiano Juan Pablo Ángel, de 34, no ataque. Esperemos que Thierry faça algo mais do que ganhar dinheiro fácil desfilando marketing em meio a adversários de baixo nivel técnico.

O site oficial do NYRB saúda a chegada do “novo touro vermelho” e já disponibiliza camisas para venda antes mesmo do reforço entrar em campo, como é natural no mundo do futebol de hoje, no qual a necessidade de fazer caixa vêm na frente do desempenho nas quatro linhas, right?

Autor: Tags: , , , ,