Publicidade

Posts com a Tag amistoso

terça-feira, 2 de março de 2010 Seleção francesa | 16:44

Amanhã, a Espanha; em fevereiro, o Brasil!

Compartilhe: Twitter

Como se não bastasse a grandeza inquestionável de uma Copa do Mundo nos próximos junho e julho, a seleção francesa está mesmo disposta a medir força com as potências do futebol mundial. Nesta quarta-feira, enfrenta a Espanha no último grande teste antes de ir para a África do Sul. No dia 17 de novembro, vai a Wembley encarar a Inglaterra. E em 9 de fevereiro de 2011, já sabemos que o Brasil voltará ao Stade de France. Lembrando ainda que, a partir de setembro, os Bleus começam as Eliminatórias para a Eurocopa 2012. 

A partida de amanhã, também em Saint Denis, é às 17 horas (de Brasília) e terá transmissão ao vivo na ESPN Brasil e acompanhamento em tempo real no Placar iG – dá pra comentar e torcer também, NESTE LINK.

O time titular de Raymond Domenech deve ser Lloris; Sagna, Boumsong, Escudé e Evra; Lassana Diarra, Toulalan, Malouda e Henry; Ribéry e Anelka. No banco de reservas, figuram opções como Gourcuff, Cheyrou, Ben Arfa, Benzema, Govou, Rémy e Djibril Cissé, chamado para o lugar do contundido Saha. Lembrando que Franck Ribéry retorna depois um bom tempo lesionado, e com boas atuações e gols nos últimos jogos pelo Bayern de Munique, a ponto de fazer da Juventus uma concorrente do Real Madrid pelo seu futebol.

A Espanha de Vicente del Bosque deve alinhar com Casillas; Sergio Ramos, Piqué, Puyol e Capdevila; Marcos Senna, Xavi, Iniesta e Davi Silva; Davi Villa e Fernando Torres. Segurar a Fúria não será nada fácil…

Autor: Tags: , , , , , , ,

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010 Copa do Mundo, Seleção francesa | 16:40

Convocados para França x Espanha

Compartilhe: Twitter

A pouco mais de 100 dias para a Copa do Mundo, Raymond Domenech anunciou nesta quinta-feira os 24 jogadores chamados para o amistoso da França contra a Espanha, na próxima quarta-feira (03/03), no Stade de France. São eles:

Goleiros: Hugo Lloris (Lyon), Steve Mandanda (Olympique de Marselha), Cédric Carrasso (Bordeaux)

Defensores: Jean-Alain Boumsong (Lyon), Mickaël Ciani (Bordeaux), Julien Escudé (Sevilla, ESP), Aly Cissokho (Lyon), Patrice Evra (Manchester United, ING), Bacary Sagna (Arsenal, ING), Rod Fanni (Rennes), Adil Rami (Lille)

Meio-campistas: Lassana Diarra (Real Madrid, ESP), Yoann Gourcuff (Bordeaux), Moussa Sissoko (Toulouse), Jérémy Toulalan (Lyon), Benoît Cheyrou (Olympique de Marselha), Florent Malouda (Chelsea, ING).

Atacantes: Nicolas Anelka (Chelsea, ING), Hatem Ben Arfa (Olympique de Marselha), Franck Ribéry (Bayern de Munique, ALE), Thierry Henry (Barcelona, ESP), Sidney Govou (Lyon), Loïc Rémy (Nice), Louis Saha (Everton, ING).

Domenech já tinha dito que é a partir desta partida que o clima de Copa começa a valer para os franceses. De fato, enfrentar a atual campeã europeia a três meses do Mundial é mais do que propício para este sentimento. Ainda restam outros três amistosos* antes da estreia na África do Sul, mas já é possível considerar que esses 24 de hoje estão perto de estarem entre os 23 de maio, quando sai a lista da Copa. Veja bem: eu disse “perto” e não “muito perto”, porque esta lista teve de excluir nomes que, se não estivessem machucados, fatalmente seriam chamados: Gallas, Abidal, Squillaci, Alou Diarra, Diaby, Benzema e Gignac, par exemple.  

As grandes novidades da relação são o retorno do zagueiro Ciani, que marcou o gol da vitória do Bordeaux contra o Olympiacos na terça-feira, e a primeira chance dada ao volante Cheyrou, do Olympique – na minha opinião, duas justas oportunidades. Elogiado pelo técnico da seleção recentemente, o meia Ben Arfa voltou a jogar bem no Marselha e foi novamente relacionado. O mesmo não aconteceu com o atacante Djibril Cissé, apesar de ter decidido as duas partidas da Liga Europa, contra a Roma, a favor do Panathinaikos – desafortunadamente, Djibra acabou preterido por Louis Saha, do Everton, cujos gols no Campeonato Inglês devem valer muito mais do que os do compatriota no Campeonato Grego…

Uma breve passada pelas posições: no gol, Lloris-Mandanda-Carrasso deve ser mesmo o trio da Copa (Frey, da Fiorentina, mereceria ser visto, penso eu). Na defesa, Ciani e Rami devem aproveitar a chance, pois ela só veio com as lesões de Gallas, Abidal e Squilacci. Méxès e Clichy ficaram de fora, estando mais longe da África. No meio, Vieira ainda não veio, mas se obtiver uma sequência de jogos pelo Manchester City pode ser incluído por Domenech em maio. Sissoko e Cheyrou se aproveitaram das ausências dos lesionados Alou Diarra e Diaby, avançando em relação a nomes como Flamini e Nasri (gosto desses dois) na luta por vagas no setor. E no ataque, sem Benzema e Gignac, fora de combate, Rémy se pôs à frente de Gomis (faz sentido) e Saha deixou Cissé “ainda com raiva”, como mencionei.

E você, o que achou dos convocados? Algum esquecido?

*A França vai encarar Costa Rica (26 de maio), Tuinísia (30 de maio) e China (4 ou 5 de junho). A estreia na Copa é no dia 11 de junho, contra o Uruguai.

Ciani e Cheyrou foram colegas no Auxerre em 2004. Mas seriam rivais no PS2? (France Football) Ciani e Cheyrou foram colegas no Auxerre em 2004. Mas seriam rivais no PS2? (France Football)
Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 13 de agosto de 2009 Franceses no mundo | 23:09

São Paulo x Lyon? Coluna 1

Compartilhe: Twitter

A última vez que recebeu o Lyon em casa, pelo Monaco, ele perdeu: 1 a 0

Acompanhante assíduo desta nau gaulesa, Filipe Frossard Papini* (merci, camarade!) pediu que eu falasse sobre o amistoso entre São Paulo e Lyon, previsto para acontecer no Morumbi, em outubro – parece que está para ser no dia 7 ou 8. O evento faz parte das comemorações do Ano da França no Brasil. Mais do que reunir o heptacampeão francês e o hexacampeão brasileiro, é justo que Ricardo Gomes, o mais francês dos brasileiros em atividade por aqui, esteja envolvido!

Representante do OL, o ex-zagueiro Marcelo Djian (aquele do Curíntia e do Cruzeiro nos anos 90) disse que o visitante só não trará força máxima se houver jogadores com a seleção francesa (no dia 10/10, Les Bleus jogam a penúltima rodada das Eliminatórias contra as famigeradas Ilhas Faroe! Mas não se pode arriscar perder a vaga para a Copa, né?).

Mesmo que venha a maior parte dos titulares, acho que o favorito será o São Paulo, se tivesse que apostar hoje. Pode ser que o Tricolor não embale rumo a mais um título nacional, mas só a combinação viagem longa + fuso horário diferente + clima bem mais quente (será outubro) deve ser o suficiente para diminuir deveras o rendimento dos lioneses.

O interessante por trás do que rolar em campo é o interesse francês por alguns são-paulinos, com certeza um motivo para os comandados de Gomes correrem mais. Djian, responsável por indicar destaques brasileiros para o Lyon, admitiu que já o fez em relação a Dagoberto, Richarlyson e Miranda, em outras épocas. Hernanes foi observado este ano pela diretoria francesa, mas deu azar porque viveu uma fase sem brilho no primeiro semestre. Como parece que se recuperou, nunca se sabe o que pode surgir…

Apesar de ser um amistoso, o público deve ser bom, afinal não se enfrenta em casa um time europeu todo dia, e o jogo faz parte do pacote que o São Paulo lançou em seu novo carnê de ingressos para os torcedores. Para mim vai ser bão tamén, bien sûr, porque mais gente do que o usual deve passar por este blog por causa da partida, sobretudo… são-paulinos! (bravo, bravíssimo). Quando se vive escondido na net, qualquer boca se aproveita!

* Ah, Filipe, sobre o fato de Lloris ter deixado Mandanda no banco da França ontem, li que foi opção de Domenech mesmo, embora o técnico não veja diferença entre os dois (veja aqui). E acho que foi para você não criticar tanto o “professeur”…rs… De qualquer forma, temos que esperar um jogo com mais disputa para saber como o arqueiro do Lyon vai se sair, concorda?

Autor: Tags: , , , , , , , ,

sexta-feira, 5 de junho de 2009 Seleção francesa | 17:59

Um ooutro jogo

Compartilhe: Twitter

Depois de uma fraca apresentação contra a Nigéria, Raymond Domenech felizmente percebeu que era necessário colocar em campo uma outra França contra a Turquia. E foi literalmente o que aconteceu, pois, com exceção de Anelka e Benzema, todo o restante da escalação foi trocada, do goleiro ao meia-atacante. Os onze bleus quando a bola começou a rolar em Lyon eram Lloris; Sagna, Méxès, Boumsong e Abidal; Lassana Diarra, Toulalan e Gourcuff; Malouda, Anelka e Benzema.

A equipe começou com boa posse de bola, lances de habilidade e muita disposição. Diante de uma Turquia preocupada primeiro em se defender para depois sair para o jogo, eram poucos os espaços existentes para lances de perigo, o que ficou ainda mais evidente quando a chuva apertou sobre o estádio Gerland. Mesmo assim, Malouda demonstrava que sua presença era importante entre os titulares, principalmente se seu colega de ataque na seleção é o mesmo de Chelsea – no caso, Anelka, esse aí da foto.  

As melhores chances de gol no 1º tempo vieram somente depois dos 30 minutos. Aos 31, Anelka carregou a bola do meio-de-campo até a área turca, pela direita, mas chutou muito mal, torto. No minuto seguinte, os visitantes chegaram com perigo e só não abriram o placar porque Sahin, livre no meio da área, errou por muito pouco o canto de Lloris.

Até que aos 37 veio o presente que Domenech queria: bola alçada para Anelka, o zagueiro Üzülmez Ibrahim tenta recuar para o goleiro Volkan Demirel, mas cabeceia para o lado, como se driblasse o companheiro. Antes que o 39 da França pudesse marcar, Ibrahim fez pênalti e acabou expulso. A cobrança de Benzema não foi um primor, mas o chute saiu mais forte do que Demirel pudesse desviar, abrindo o placar do jogo.

Mesmo jogando em sua casa, no Gerland, Benzema acabaria substituído na volta para o 2º tempo, dando lugar a Gignac, artilheiro do Francês 2008/2009. O atacante do Toulouse não perdeu tempo e mostrou personalidade: nas três bolas que recebeu em condições de finalizar, assim o fez, mas só a primeira levou mais perigo ao goleiro “vulcânico”.

Aos 13, as últimas mudanças de Domenech: Ribéry e Govou vieram para os lugares de Anelka e Malouda. Os Bleus ganharam em poder ofensivo, abafando as vaias dos muitos torcedores turcos presentes em Lyon. Ribéry teve ótima chance de frente para o crime, mas chutou no pé de Demirel – o atacante do Bayern de Munique também tem condições de ser titular. Preocupado em resguardar o meio, Gourcuff estava mais discreto do que o usual, no Bordeaux, e Toulalan cumpria muito bem as funções de desarmar os rivais e iniciar as jogadas de ataque.

Pouco antes dos 30 minutos, Lloris mostrou serviço com a sorte que faltou a Mandanda na terça: bola cruzada rasteira na área, Méxès desviou para atrás e o goleiro do Lyon, quase passando da bola, desviou com o pé. Em seguida, a torcida turca mostrou falta de civilidade: atirou vários rojões em torno do gramado, atrás do gol de Lloris, obrigando o árbitro alemão Manuel Grafe a interromper a contenda. Um barrigudo sem camisa (lamentável) invadiu o gramado (duplamente lamentável) e teve de ser contido. Até o capitão Tuncay Sanli perdeu a paciência, indo até os baderneiros, também repreendidos por um sujeito que tomou o microfone do estádio e deu uma bronca geral…  

Os últimos minutos da partida, sob chuva com momentos de enxurrada, viram uma bateria de chances desperdiçadas da parte dos franceses, com Govou (trave), Gignac, Ribéry e Boumsong (de cabeça). No fim das contas, não foi uma apresentação brilhante, mas de conclusões esperançosas a Domenech e companhia pelo que se criou em campo. Em relação ao que se viu na terça-feira, com certeza um ooutro jogo (com dois “o” mesmo). 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 2 de junho de 2009 Seleção francesa | 18:29

Azar o seu, Domenech

Compartilhe: Twitter


Quem estaria na sombra do periclitante técnico da França? (AFP)

Hoje aconteceu o primeiro dos dois amistosos da seleção francesa na semana, em preparação para a sequência das Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo de 2010. O adversário foi africano, a Nigéria. O local foi Saint-Etienne, em casa. Mas o placar foi adverso: 1 a 0.

Acompanhando os melhores momentos da partida pelo tempo real da France Football, a conclusão é de uma apresentação apática do time de Raymond Domenech, que, se já não era bem “engolido” por lá, com um resultado desses volta para a corda bamba, depois de respirar com as duas salvadoras vitórias sobre a Lituânia nas Eliminatórias, em março. 

O treinador fez quatro alterações nos Bleus no decorrer do jogo. A França jogou com Mandanda; Fanni, Squilacci, Escudé e Evra; Vieira, A. Diarra (Toulalan, intervalo), Rémy e Ribéry (Govou, 25 do 2º); Anelka (Gourcuff, intervalo) e Benzema (Gignac, intervalo). Henry, com dores no joelho, foi poupado. Malouda, no banco, nem entrou. Eu xingaria também…

Mas quem se deu melhor foram os nigerianos, comandados pelo veterano atacante grandalhão Kanu, 32 anos, que começou cedo, infernizando o Brasil na semifinal olímpica de 1996 (Atlanta), e hoje anda no Portsmouth, da Inglaterra. Aos 32 minutos da primeira etapa, o rápido meia Ikechukwu Uche (do Getafe, da Espanha), grande destaque do amistoso, invadiu a área, bateu no canto e Mandanda teve a maior das más sortes: resvalou na bola, ela foi na trave, voltou em suas costas, rebateu de novo na trave (!) e sobrou para o atacante Akpala (do Bruges, da Bélgica) só empurrar para as redes.

Os únicos gestos admiráveis dos franceses foram a lembrança às vítimas do voo 447 da Air France (minuto de silêncio e tarja preta) e a homenagem aos 200 anos do nascimento de Louis Braille: os nomes dos jogadores estavam estampados, em suas camisas, na linguagem dos deficientes visuais. A semana de Domenech parece longa, afinal sexta-feira acontece outro amistoso, contra a Turquia. Serão os ares de Lyon, o palco da partida, mais amenos para ele? 

Se os selecionáveis franceses não abrirem os olhos, podem perder as passagens para a África do Sul (AFP)

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 3
  3. 4
  4. 5
  5. 6
  6. 7
  7. Última