Publicidade

Arquivo da Categoria Seleção francesa

terça-feira, 11 de agosto de 2009 Eliminatórias da Copa, Extracampo, Francês da 1ª divisão, Seleção francesa | 23:07

Boas novidades

Compartilhe: Twitter

Logo que acabou a última Ligue 1, o recém-chegado técnico Didier Deschamps disse querer um Juninho ou Gourcuff para o Olympique de Marselha. Sugeri Michel Bastos. O Lyon, que perdeu seu maestro pernambucano, escutou minha indicação (modéstia à parte…), tirando o habilidoso meia do Lille. Que ele se entenda com Ederson, afinal falam o mesmo idioma. Sem dúvida, é uma das maiores novidades para a temporada que está começando.

Também pesam no OL os nomes dos atacantes Lisandro López, argentino ex-Porto, e Bafétimbi Gomis, francês ex-Saint Etienne (“Bafetimbi” é de uma sonoridade única, não acha?). Precisava mesmo, afinal a referência na frente, Karim Benzema, foi ganhar dinheiro status no Real Madrid. Na defesa, chegou outro jogador do Porto: Aly Cissokho. Vamos ver o que vira.

Deschamps não recebeu os presentões que desejava, mas não dá pra ficar triste com um Lucho González (outro argentino, de novo do Porto!), dá? Para o meio, vieram ainda Diawara (ex-Bordeaux), Edouard Cissé (ex-Besiktas-TUR) e M’Bia (camaronês ex-Rennes), pois saíram Cana e Zenden. E o OM agora tem dois renomados estrangeiros, o zagueiro argentino Gabriel Heinze e o atacante espanhol Fernando Morientes. Certamente há time para brigar pelo título em Marselha. 

O atual defensor do título, por sinal, parece satisfeito com o elenco que já provou ser vitorioso: perdeu Diawara e, de significativo, trouxe o meia tcheco Jaroslav Plasil (não é remédio!), ex-Osasuña-ESP, e trocou goleiros – Valverde por Carrasso. Para os padrões franceses, o entrosamento de Fernando, Wendell, Gourcuff, Chamakh e cia. pode ser suficiente; mas para quem vai encarar a fase de grupo da Liga dos Campeões, acho pouco. Ainda em termos de pouco, um pouco dos demais:

PSG: perdeu Kezman, substituiu Landreau pelo experiente Coupet no gol.
Toulouse: perdeu Carrasso e o lateral Mathieu, trouxe o atacante Luan, ex-São Caetano.
Lille: perdeu Bastos e ganhou Landreau.
Monaco: sem Ricardo Gomes, repatriou o meia Nenê e contratou o volante Eduardo Costa, ex-São Paulo (foto)

*LEMBRANDO QUE AMANHÃ a França tem jogo importantíssimo em sua caminhada para a Copa de 2010 contra a fraquíssima “seleção” das Ilhas Faroe (será que é preciso selecionar por lá?), a partir das 13h (de Brasília). Uma boa apresentação deste e outros duelos pelas Eliminatórias estão neste texto do Trivela.com. 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 26 de junho de 2009 Extracampo, Franceses no mundo, Seleção francesa | 16:19

Boleiros, esforçai-vos!

Compartilhe: Twitter

Chabal, o ídolo francês no rúgbi; mesmo na sombra, uma figura ímpar (AFP)

Tradicionalmente, quem leva o prêmio de esportista favorito dos franceses, realizado pela revista L’Equipe, é um jogador de futebol. Mas este ano a coisa foi diferente, e um estranho no ninho dos boleiros saiu vencedor: o piloto Sebastien Loeb, que conquistou mais votos na sondagem feita entre 1.060 franceses com mais de 15 anos, nos dias 8 e 9 deste mês.

Loeb, pentacampeão mundial de rali e considerado o maior nome deste tipo de corridas, deixa para trás os selecionáveis Thierry Henry, campeão no ano passado, e Franck Ribéry, vice em 2008. Destaques de diferentes modalidades completam a lista dos dez primeiros, disposta abaixo: 

NOME                          MODALIDADE       VOTOS(%)   VARIAÇÃO DE POSIÇÃO (PARA 2008)
1. Sébastien Loeb           (automobilismo)        33,7 %              (+5)
2. Thierry Henry              (futebol)                    31,4 %               (-1)
3. Franck Ribéry              (futebol)                    31,2 %               (-1)
4. Sébastien Chabal         (rúgbi)                      31 %                  (+1)
5. Gaël Monfils                (tênis)                       30,5 %               (+13)
6. Jeannie Longo             (ciclismo)                  26,9 %               (+1)
7. Laure Manaudou         (natação)                   24,8 %                (-4)
8. Tony Parker                (basquete)                 23,5 %               (-4)
9. Olivier de Kersauson   (iatismo)                   22,6 %               (+2)
10. Alain Bernard            (natação)                   22,5 %               (+4)

O site da L’Equipe permite folhear algumas página desta edição da revista, BASTA CLICAR AQUI. Que o futebol não tem lá na França a supremacia que se vê aqui no Brasil, dividindo atenção com outras modaliades, não é novidade. Agora, o fato de haver certo desprestígio dos ídolos dos gramados justamente numa época em que a seleção francesa convive com a desconfiança e não anda convencendo, o que também não é de hoje, não pode ser visto como coincidência. Ou os boleiros fazem por merecer dentro de campo, ou vão continuar caindo na preferência dos admiradores do esporte…

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 10 de junho de 2009 Eliminatórias da Copa, Seleção francesa | 20:37

Emoções fortes à vista

Compartilhe: Twitter

O futebol está aberto a surpresas de vez em quando. Mas a milagres, raramente. Se algum francês na face da França esperava que a seleção das Ilhas Faroe, lanterna do grupo 7, fosse tirar algum ponto da líder Sérvia nas Eliminatórias para a Copa de 2010, mesmo jogando em casa, só nos cabe dizer: Désolé!

O placar de 2 a 0 para os ex-iugoslavos os deixa com 18 pontos, 8 a mais que a França, vice-líder da chave. Restam três partidas (9 pontos em jogo) para os sérvios e cinco (15 pontos a disputar) para os franceses, que, se não conseguirem tomar a ponta, serão obrigados a garantir o segundo posto para evitar o desastre de ficar fora da África do Sul em 2010. Um ponto atrás dos Bleus está a Lituânia, mas ela só tem mais três jogos a fazer. Áustria e Romênia, três pontos atrás da França, também não podem ser considerados fora do páreo.

Veja as próximas e derradeiras partidas do grupo 7, que promete fortes emoções na definição dos dois primeiros colocados – o campeão vai direto para o Mundial, mas o vice precisará eliminar um outro vice europeu no enfartante sistema de mata-matas:

19 de agosto 
Ilhas Faroe x França 

05 de setembro
  
França x Romênia
Áustria x Ilhas Faroe

09 de setembro
Sérvia x França
Romênia x Áustria
Ilhas Faroe x Lituânia 

10 de outubro
 
França x Ilhas Faroe 
Áustria x Lituânia
Sérvia x Romênia

14 de outubro
 
França x Áustria
Romênia x Ilhas Faroe
Lituânia x Sérvia

É melhor Henry ter condições de jogo, senão as Eliminatórias podem não acabar assim para ele (AP)

Autor: Tags: , , , , , ,

sexta-feira, 5 de junho de 2009 Seleção francesa | 17:59

Um ooutro jogo

Compartilhe: Twitter

Depois de uma fraca apresentação contra a Nigéria, Raymond Domenech felizmente percebeu que era necessário colocar em campo uma outra França contra a Turquia. E foi literalmente o que aconteceu, pois, com exceção de Anelka e Benzema, todo o restante da escalação foi trocada, do goleiro ao meia-atacante. Os onze bleus quando a bola começou a rolar em Lyon eram Lloris; Sagna, Méxès, Boumsong e Abidal; Lassana Diarra, Toulalan e Gourcuff; Malouda, Anelka e Benzema.

A equipe começou com boa posse de bola, lances de habilidade e muita disposição. Diante de uma Turquia preocupada primeiro em se defender para depois sair para o jogo, eram poucos os espaços existentes para lances de perigo, o que ficou ainda mais evidente quando a chuva apertou sobre o estádio Gerland. Mesmo assim, Malouda demonstrava que sua presença era importante entre os titulares, principalmente se seu colega de ataque na seleção é o mesmo de Chelsea – no caso, Anelka, esse aí da foto.  

As melhores chances de gol no 1º tempo vieram somente depois dos 30 minutos. Aos 31, Anelka carregou a bola do meio-de-campo até a área turca, pela direita, mas chutou muito mal, torto. No minuto seguinte, os visitantes chegaram com perigo e só não abriram o placar porque Sahin, livre no meio da área, errou por muito pouco o canto de Lloris.

Até que aos 37 veio o presente que Domenech queria: bola alçada para Anelka, o zagueiro Üzülmez Ibrahim tenta recuar para o goleiro Volkan Demirel, mas cabeceia para o lado, como se driblasse o companheiro. Antes que o 39 da França pudesse marcar, Ibrahim fez pênalti e acabou expulso. A cobrança de Benzema não foi um primor, mas o chute saiu mais forte do que Demirel pudesse desviar, abrindo o placar do jogo.

Mesmo jogando em sua casa, no Gerland, Benzema acabaria substituído na volta para o 2º tempo, dando lugar a Gignac, artilheiro do Francês 2008/2009. O atacante do Toulouse não perdeu tempo e mostrou personalidade: nas três bolas que recebeu em condições de finalizar, assim o fez, mas só a primeira levou mais perigo ao goleiro “vulcânico”.

Aos 13, as últimas mudanças de Domenech: Ribéry e Govou vieram para os lugares de Anelka e Malouda. Os Bleus ganharam em poder ofensivo, abafando as vaias dos muitos torcedores turcos presentes em Lyon. Ribéry teve ótima chance de frente para o crime, mas chutou no pé de Demirel – o atacante do Bayern de Munique também tem condições de ser titular. Preocupado em resguardar o meio, Gourcuff estava mais discreto do que o usual, no Bordeaux, e Toulalan cumpria muito bem as funções de desarmar os rivais e iniciar as jogadas de ataque.

Pouco antes dos 30 minutos, Lloris mostrou serviço com a sorte que faltou a Mandanda na terça: bola cruzada rasteira na área, Méxès desviou para atrás e o goleiro do Lyon, quase passando da bola, desviou com o pé. Em seguida, a torcida turca mostrou falta de civilidade: atirou vários rojões em torno do gramado, atrás do gol de Lloris, obrigando o árbitro alemão Manuel Grafe a interromper a contenda. Um barrigudo sem camisa (lamentável) invadiu o gramado (duplamente lamentável) e teve de ser contido. Até o capitão Tuncay Sanli perdeu a paciência, indo até os baderneiros, também repreendidos por um sujeito que tomou o microfone do estádio e deu uma bronca geral…  

Os últimos minutos da partida, sob chuva com momentos de enxurrada, viram uma bateria de chances desperdiçadas da parte dos franceses, com Govou (trave), Gignac, Ribéry e Boumsong (de cabeça). No fim das contas, não foi uma apresentação brilhante, mas de conclusões esperançosas a Domenech e companhia pelo que se criou em campo. Em relação ao que se viu na terça-feira, com certeza um ooutro jogo (com dois “o” mesmo). 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 2 de junho de 2009 Seleção francesa | 18:29

Azar o seu, Domenech

Compartilhe: Twitter


Quem estaria na sombra do periclitante técnico da França? (AFP)

Hoje aconteceu o primeiro dos dois amistosos da seleção francesa na semana, em preparação para a sequência das Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo de 2010. O adversário foi africano, a Nigéria. O local foi Saint-Etienne, em casa. Mas o placar foi adverso: 1 a 0.

Acompanhando os melhores momentos da partida pelo tempo real da France Football, a conclusão é de uma apresentação apática do time de Raymond Domenech, que, se já não era bem “engolido” por lá, com um resultado desses volta para a corda bamba, depois de respirar com as duas salvadoras vitórias sobre a Lituânia nas Eliminatórias, em março. 

O treinador fez quatro alterações nos Bleus no decorrer do jogo. A França jogou com Mandanda; Fanni, Squilacci, Escudé e Evra; Vieira, A. Diarra (Toulalan, intervalo), Rémy e Ribéry (Govou, 25 do 2º); Anelka (Gourcuff, intervalo) e Benzema (Gignac, intervalo). Henry, com dores no joelho, foi poupado. Malouda, no banco, nem entrou. Eu xingaria também…

Mas quem se deu melhor foram os nigerianos, comandados pelo veterano atacante grandalhão Kanu, 32 anos, que começou cedo, infernizando o Brasil na semifinal olímpica de 1996 (Atlanta), e hoje anda no Portsmouth, da Inglaterra. Aos 32 minutos da primeira etapa, o rápido meia Ikechukwu Uche (do Getafe, da Espanha), grande destaque do amistoso, invadiu a área, bateu no canto e Mandanda teve a maior das más sortes: resvalou na bola, ela foi na trave, voltou em suas costas, rebateu de novo na trave (!) e sobrou para o atacante Akpala (do Bruges, da Bélgica) só empurrar para as redes.

Os únicos gestos admiráveis dos franceses foram a lembrança às vítimas do voo 447 da Air France (minuto de silêncio e tarja preta) e a homenagem aos 200 anos do nascimento de Louis Braille: os nomes dos jogadores estavam estampados, em suas camisas, na linguagem dos deficientes visuais. A semana de Domenech parece longa, afinal sexta-feira acontece outro amistoso, contra a Turquia. Serão os ares de Lyon, o palco da partida, mais amenos para ele? 

Se os selecionáveis franceses não abrirem os olhos, podem perder as passagens para a África do Sul (AFP)

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 28 de maio de 2009 Seleção francesa | 20:34

Convocação coerente

Compartilhe: Twitter

Malouda contra Daniel Alves, semifinal da Champions (EFE)

Malouda e Daniel Alves, Chelsea x Barcelona, tragédia para os Blues (EFE)

Raymond Domenech tem um jeitão não muito simpático, é bastante questionado, mas não pode ser espinafrado pela última convocação da seleção francesa, no começo desta semana. Como ele mesmo frisou, foi coerente, chamando quem vem jogando bem, mesmo se o criticou publicamente no passado, como foi o caso de Florent Malouda, que justifica a titularidade no Chelsea – que teve Nicolas Anelka, outro selecionado, como artilheiro do Campeonato Inglês.

Patrick Vieira também retorna aos Bleus e deve ser o capitão nos amistosos contra Nigéria, no próximo dia 2 (em Saint-Etienne), e Turquia, dia 5 (Lyon). A lista de Domenech se equilibra entre jogadores atuantes na França (12) e fora dela (13), e as duas partidas são boas oportunidades para dar entrosamento aos atletas que devem reaparecer para os importantes compromissos pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010 (o próximo jogo é contra as Ilhas Faroe, em 12 de agosto). Abaixo, os relacionados:  

Goleiros: Steve Mandanda (Olympique de Marselha)
                 Hugo Lloris (Lyon)
                 Cedric Carrasso (Toulouse) 

Defensores: Eric Abidal (Barcelona-ESP)
                       Philippe Mèxés (Roma-ITA) 
                       Jean-Alain Boumsong (Lyon)
                       Patrice Evra (Manchester United-ING)
                       Bacary Sagna (Arsenal-ING) 
                       Sebastien Squilacci (Sevilla-ESP)
                       Julien Escudé (Sevilla-ESP)
                       Rod Fanni (Rennes)

Meio-campistas: Patrick Vieira (Internazionale-ITA)
                               Abou Diaby (Arsenal-ING)
                               Alou Diarra (Bordeaux)
                               Lassana Diarra (Real Madrid-ESP)
                               Yoann Gourcuff (Bordeaux)
                               Jérémy Toulalan (Lyon)
                               Florent Malouda (Chelsea-ING)

Atacantes: Nicolas Anelka (Chelsea-ING)
                    Karim Benzema (Lyon)
                    Andre-Pierre Gignac (Toulouse)
                    Thierry Henry (Barcelona-ESP)
                    Franck Ribéry (Bayern de Munique-ALE)
                    Sidney Govou (Lyon)
                    Loïc Remy (Nice)

Se é coerente pra valer, Domenech deve fazer compras onde estou pensando… (France Football)

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 15 de maio de 2009 Extracampo, Francês da 1ª divisão, Francês de divisões menores, Seleção francesa | 20:24

A rodada, a resposta e a aniversariante

Compartilhe: Twitter

Desta vez vamos por tópicos, acho que meus cerca de 38 visitantes diários não vão reclamar (ou vão?):

*Abaixo, a programação da 36ª rodada do Campeonato Francês (só faltam 3, mes amis!). Lembrando que o Lens voltará em 2009/2010, após um ano na Ligue 2; Montpellier (2º), Racing Strasbourg (3º), Metz (4º), Tours (5º) e Boulogne-sur-Mer (6º) lutam pelas duas vagas restantes:

Sábado: 14h (19h na França) – Bordeaux (2º) x Le Mans (15º)
                                                  Saint-Etienne (17º) x Toulouse (5º)
                                                  Lorient (10º) x Le Havre (20º)
                                                  Monaco (11º) x Valenciennes (14º)
                                                  Grenoble (12º) x Nancy (13º)
                                                  Caen (18º) x Sochaux (16º) 
               16h (21h na França) – Paris Saint-Germain (4º) x Auxerre (8º)    
Domingo: 12h (17h na França) – Lille (6º) x Nice (9º)
                                                     Nantes (19º) x Rennes (7º)
                   16h (21h na França) – Olympique de Marselha (1º) x Lyon (3º) 

*Hoje, mais uma vez o triunfo da França sobre o Brasil na final da Copa de 1998 foi questionado. Em coluna no site da Revista Brasileiros, Osmar Freitas Jr defende a tese de que o serviço secreto francês envenenou a seleção canarinho antes do inesquecível 12 de julho de 1998. Bom até o texto, mas esse e aquele papo de que os brasileiros foram vendidos para entregar o jogo, por mais engenhosos que sejam, dão a impressão de que não se quer aceitar a superioridade gaulesa naquela noite em Saint-Dennis – Zidane decidiu, o ataque brasileiro parou (independente da convulsão ronaldesca) e o resto é choro até que se prove o contrário, tamus resolvidus? 

*Nesta sexta também, a Torre Eiffel, maior símbolo francês, completa 120 anos. Com 10.100 toneladas de ferro, o monumento mais visitado do mundo foi construído para ser temporário, em comemoração aos 100 anos da Revolução Francesa, acabou ganhando o nome de seu construtor (Alexandre Gustave Eiffel, 1832-1923) e hoje não há como visualizar Paris sem levar em conta seu maior ícone. Portanto, Le Blog congratula La Tour e aguarda ansiosamente uma oportunidade para conhecê-la in loco! (sonho meu…)

Autor: Tags: , , , , ,

quinta-feira, 7 de maio de 2009 Extracampo, Francês da 1ª divisão, Seleção francesa, Torneios europeus | 19:02

Esse sabe o que é vencer

Compartilhe: Twitter

De primeira, sem fazer qualquer busca na internet: qual é o maior vencedor francês como jogador da história do futebol? Michel Platini? Zinedine Zidane?? Thierry Henry??? Marcel Desailly???? Non! A resposta correta é Didier Deschamps, acredite se quiser** (levando-se em conta apenas títulos, sem premiações individuais, quesito em que Platini e Zidane foram imbatíveis).

Por clubes, o volante de estilo dunguístico jogou por Nantes, Olympique de Marselha, Bordeaux, Juventus (Itália), Chelsea (Inglaterra) e Valencia (Espanha), entre 1985 e 2001. Acumulou duas Ligas dos Campeões da Europa, três Campeonatos Italianos, dois Campeonatos Franceses, uma Copa da Itália e uma Copa da Inglaterra, além de outros títulos menores.

Mas foi pela seleção francesa seu momento de auge, que o fez ídolo no país e “engolido” por todos nós brasileiros naquele dia 12 de julho de 1998 – a não ser que você já estivesse longe da TV depois do jogo. Veja neste vídeo onde exatamente Deschamps estava no Stade de France (se tiver pouco tempo, avance para os 4’50”, o vídeo é longo por tratar das duas maiores conquistas dos Bleus, Copa e Euro):

Todo esse preâmbulo foi para dizer que Didier Deschamps será o novo treinador do Olympique de Marselha nas próximas duas temporadas, após dirigir Monaco e Juventus (não o da Mooca!). Uma baita aquisição (ele era um dos cotados para assumir a França), que servirá de consolo caso o clube deixe o Bordeaux papar o atual Campeonato Francês (toc, toc, toc). Pra você ver a fama do garotinho, já teve jogador consagrado tecendo elogios e flertando com o OM, ui ui ui, Trezeguet!

**quando pintar uma brecha, prometo trazer uma listinha comparando os maiores vencedores franceses como jogadores, vale o registro!

Autor: Tags: , , , , , , , ,

quinta-feira, 30 de abril de 2009 Extracampo, Franceses no mundo, Seleção francesa | 18:26

Um francês > dois brasileiros

Compartilhe: Twitter

Longe de mim querer alimentar a discórdia, rivalidade e competição (não necessariamente nessa mesma ordem) entre brasileiros e franceses, ainda mais neste Ano da França no Brasil! Mas nem todo peladeiro francófono fica para trás na comparação com boleiros brazucas; há talentos indiscutíveis formados por lá, assim como queijos, vinhos e aquele delicioso fondue (é francês ao menos no biquinho) no inverno.

Franck Ribery é um exemplo contundente. Primeiro porque joga num time de primeiro escalão, o Bayern de Munique, o alemão com mais estrangeiros da Bundesliga (Marião que me corrija se for o caso). Joga e muito bem, marcando gols decisivos, assim como na seleção francesa – salvou os Bleus nas magras vitórias sobre a Lituânia, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, que evitaram uma catástrofe para o técnico Raymond Domenech e o orgulho gaulês (que não é dos menores, sabe-se…)

No futebol, beleza é fundamental o escambau! (foto AP)

Pois bem, o lindão do Riberra é querido por medalhões como Barcelona, Real Madrid (a nata da Espanha) e Internazionale (quase tetracampeã italiana). Aliás, a Inter de Milão estaria disposta até a incluir dois brasileiros no negócio com o Bayern, que quer muito (é óbvio) para vender o francês: o lateral-esquerdo Maxwell (ex-Cruzeiro e Ajax) e o meia Mancini (ex-Atlético Mineiro, onde foi lateral-direito, e Roma).

Se eu representasse o time germânico na parada, não me faria de rogado. “Quero Maxwell, Mancini e um atacante pra repor a posição, de preferência falando a língua do Luca Toni, acho que vocês têm, né?”

Autor: Tags: , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 10
  3. 20
  4. 24
  5. 25
  6. 26
  7. 27
  8. 28
  9. Última